domingo, 14 de novembro de 2010

As exposições no Centro Recreativo Avintense





Para já são poucas e não muito boas, como se vê, as fotografias de que disponho sobre as duas aberturas de exposições em Avintes.
De telemóvel em punho, a Manela não conseguiu atingir o seu nível habitual. Espero outras contribuições fotográficas... Até lá, ficamos apenas com estas imagens...
Pena, porque a sala de exposições, que é o salão do mais do que centenário Clube Avintense, é esplêndida!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Respondo a 4 perguntas sobre o "Stock Art"


1. Sendo o “Stock Art” um Projecto de forte pendor solidário qual ou quais os motivos que o/a levam a participar?

2. Este é um projecto que contará com a participação de vários artistas, de diferentes áreas. Qual pensa ser a mais valia que a sua participação neste evento lhe pode trazer a nível artístico e/ou pessoal?

3.Tendo em conta que os projectos ligados à arte e cultura se direccionam a um público específico, de que forma pensa que se pode dar mais visibilidade aos artistas e seus projectos?

4. Pensa que projectos, como o “StockArt - Mercado de Arte Solidário”, podem ser fundamentais para dar a conhecer os artistas e seus trabalhos?



1- O primeiro atractivo desta iniciativa é precisamente permitir-nos ser solidários com causas e com instituições, à nossa maneira. Isto é, com o que temos para dar, com o nosso próprio trabalho, com o que, no campo de diversas expressões de arte, está nas mãos, na nossa imaginação, nas nossas capacidades. O que tenho estado a fazer, nos últimos tempos, é norteado ou inspirado por essa intenção – e até parece que tudo se torna mais fácil, no que respeita ao desenvolvimento desse trabalho quotidiano, porque ele adquire esta outra dimensão humanitária, porque tem propósitos que entre si se reforçam.
2- Penso que abrirá um círculo maior de amizades, de conhecimento e de estima mútua, e que, seguidamente, vai permitir a muitos de nós, iniciativas conjuntas, colaborações, que de outro modo seriam impossíveis. É, por isso, previsivelmente, um alargar de horizontes e uma oportunidade de aprendizagem com os outros. O carácter variado na expressão artística, nas áreas que são chamadas a conviver – e através delas os Autores! - criará um sentido de complementaridade e de equivalência dos valores que cada uma delas representa, tornando-os, globalmente, mais acessíveis tanto para os públicos, como para nós. E traz, também, ao evento, esses públicos mais diversificados e mais numerosos. Para aqueles que são mais novos – não necessariamente em idade, mas em envolvimento no mundo artístico, como agentes culturais – é um passo no sentido do reconhecimento por quem partilha o gosto pelas artes, seja como produtor, seja como apreciador. Olho este projecto com muito entusiasmo, com a certeza de que vou viver momentos inesquecíveis, de que ele vai ser importante para mim, a título pessoal e a nível artístico pela audiência alargada que vai permitir. Mas espero, sobretudo, que o meu contributo seja útil para o projecto colectivo.
3- Na verdade, acredito que o facto de termos em presença diferentes áreas do universo das artes, vai trazer pessoas que se interesse por cada uma delas em particular e dar-lhes a conhecer e despertar o seu interesse pelas restantes! Todos com isso ganharão muito – os próprios visitantes e, naturalmente, os artistas e as instituições que queremos ajudar.Será uma grande reunião, uma “festa”, também, em que todos estarão especialmente motivados para olhar, admirar, ajudar. Seremos como que uma comunidade, unida pela arte e pela causa humanitária.
4- Acho felicíssima esta fórmula que consiste em criar um “mercado de arte” num espaço de solidariedade. A ideia seria boa em qualquer tempo e em qualquer lugar, mas é particularmente oportuna agora, num momento em que atravessamos uma crise económica que nos atinge e que torna difícil para uma maioria a divulgação das suas obras – porque as pessoas frequentam menos as galerias tradicionais de exposição e venda. Por outro lado, há instituições que hoje precisam de mais apoios e que podem aqui, neste “mercado”, encontrar respostas absolutamente inéditas. Estamos, assim, num enquadramento original, em que todos contribuem e beneficiam, em que nos sentimos mobilizados, confiando que hão-de ser muitos os que vêm até nós, os que vão conhecer e reconhecer o nosso trabalho. Para mim, o facto de pintar uma tela é sempre uma tentativa de comunicar com as pessoas. Embora goste muito de manejar os pincéis e as tintas na solidão de quatro paredes brancas, não o faço apenas para distracção, mas para falar numa linguagem diferente das palavras. Por isso, agradeço muito este convite e quero, desde já, dar os parabéns à organização. Estou em muito boa companhia e pronta a participar em qualquer das próximas muito imaginativas e simpáticas iniciativas. Tenho a certeza de que o sucesso desta, vai dar força às futuras!

sábado, 25 de setembro de 2010

Na abertura da exposição no Clube Recreativo Avintense


Muitos amigos, família e, também, avintenses na exposição.
Mas, por muitos que fossem, não conseguiam encher plenamente aquele enorme salão.
As paredes altas são um receptáculo esplêndido para qualquer género de pintura - incluindo a minha! Digam o que disserem, as casas antigas têm sempre mais "charme"...
Neste aspecto, tenho tido sorte, pois em Oeiras a sala onde expus, embora mais pequena, também entra na mesma categoria.
Só um pequeno "senão": a reportagem fotográfica, realizada com a minha maquina, fica muito a desejar.
Não podem comparar-se com o trabalho feito para o desdobrável por Fernando Fonseca, que têm, de facto, qualidade profissional. (a ele, com o seu jornal "Notícias de Avintes", se deve o convite para eu expôr no Clube recreativo desta vila). Foi muito simpático e o desdobrável é um luxo!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

O PREÇÁRIO!

LUGARES DE AUSÊNCIA / DOCAS
De 25 de Setembro a 15 de Outubro de 2010-09-24

1 - Meia Porta, Meia Janela
Acrílico s/ tela, 80 X 60 cm …………………………………………………………….. 750,00 €

2 – Chapéus
Acrílico s/ tela, 80 x60 cm………………………………………………………………. 750,00 €

3 – Tarde no Terraço
Acrílico s/ tela, 65 x 50 cm …………………………………………………….……….. 550,00 €

5 – Espelho de Água
Acrílico s/tela, 50 x60 cm ……………………………………………………………… 550,00 €

6 – Mesa em Cimento com Vista para o Mar
Acrílico s/tela, 50 x60 cm ……………………………………………………………….. 550,00 €

7 – O Beijo
Acrílico s/ tela, 92 x 61 cm ……………………………………...…………………… 750,00 €

8 – Luz ao Pôr-do-Sol
Acrílico s/ tela, 70 x 100 cm ………………………………..……………………….. 750,00 €

9 – Toldes à Beira Mar
Acrílico s/ tela, 60 x 70 cm ……………………………………..……………………. 550,00 €

10 – Interior com Escada
Acrílico s/ tela, 50 x 61 cm ………………………………………………………….. 550,00 €

11 – Janela Soalheira de Casa em Ruínas
Acrílico s/ tela, 50 x61 cm ………………………………………………………….. 550,00 €

12 – Janela Entreaberta
Acrílico s/ tela , 65 x 50 cm……………………………………………………………… 550.00 €

13 – À Porta de Cristóvão, em Porto Santo
Acrílico s/ tela, 81 x 60 cm …………………………………………………………… 750,00 €

14 – Clarabóia
Acrílico s/ tela, 50 x60 cm ……………………………………………………… …... 550,00 €

15 – Duas Espreguiçadeiras Arrumadas ao Anoitecer
Acrílico s/ tela, 60 x 50 cm …………………………………………………………… 550,00 €

16 – Claustro, em Montemor-o-Novo
Acrílico s/ tela, 60 x 50 cm ……………………………………………………………. 550,00 €

17 – Jarra com Flores em Casa de Campo
Acrílico s/ tela, 80 x 70 cm ……………………………………………………………………. 750,00 €

18 – Reflexo de Duas Laranjas
Acrílico s/ tela, 80 x 70 cm ……………………………………………………………………. 750,00 €

19 – Abóboras ao Sol
Acrílico s/ tela, 80 x 60 cm ………………………………………………………………….. 750,00 €

20 – Janela com Estor, em Marlow
Acrílico s/tela, 70 x 50 cm …………………………………………………………………….. 550,00 €

21 – Espigueiro
Acrílico s/ tela, 70 x 60 cm …………………………………………………………………… 550,00 €

22 – Tanque interior
Acrílico s/ tela, 50 x 60 cm ……………………………………………………………………… 550,00 €

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

CV so far..-

DOCAS Maria Eduarda Aguiar da Fonseca nasceu em Paços de Ferreira. Adoptou o "petit nom" de Docas, na infância.
Fez parte dos seus estudos no Porto, e visitou Avintes, onde tem família, muitas vezes. Viveu em várias regiões do País, de norte a sul, e, também no estrangeiro, em Londres, em Luanda, em Paris e em Genebra.Começou a pintar a óleo, e, mais tarde, a acrílico, por puro prazer, para si própria, sem qualquer outro objectivo. Frequentou um curso de pintura na "ARCO", em Lisboa, tendo por orientador António Sena.
Foi fazendo experiências, inspirada em várias correntes da arte, moderna e contemporânea.
Há muito apaixonada pela fotografia artística, dedicou-se à selecção e análise de fotografias, tendo colaborado na edição de um livro do médico e fotógrafo amador Fernando Calado Correia, "Sintra e as suas Quintas" e numa colecção de "slides" do mesmo autor, "Quadrantes de Portugal", divulgada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, nas Comunidades Portuguesas.
Influenciada por esta arte, transpôs para a sua pintura ambientes fotográficos, recriando e reinventando pormenores, cores, sombras e luzes, ou incorporando elementos visuais de proveniência diversa, numa mesma composição.
Partilhou, publicamente, pela primeira vez, os seus trabalhos em acrílico, numa exposição colectiva, realizada em Julho de 2006, na cidade de Espinho, no moderno espaço cultural da Junta de Freguesia.
"Geometria da Luz" foi a primeira mostra individual, em Fevereiro de 2010, na Biblioteca Operária de Oeiras, onde está convidada para participar numa exposição colectiva em Novembro próximo.
"Lugares de Ausência” é uma colecção apresentada, pela primeira vez, de 25 de Setembro a 2 de Outubro de 2010, no Clube Recreativo Avintense.
Segue-se, no mesmo salão, a partir de 3 de Outubro, uma outra nova exposição, “Em Movimento” - telas em acrílico sobre a temática do desporto.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

EM MOVIMENTO É o título da exposição seguinte - sobre o desporto

MOVIMENTO… ESFORÇO…VONTADE TITÂNICA DE ULTRAPASSAR AS METAS DO POSSÍVEL, DE TRANSFORMAR A REALIDADE DO PRÓPRIO CORPO À MEDIDA DESSA AMBIÇÃO…
SÃO RETRATOS MULTIFACETADOS DE DESPORTISTAS EM QUE SOBRESSAI UMA IMAGEM DE EXCESSO, DE “DESMESURA” QUE PODE LEVAR À DESPROPORÇÃO DA SUA CONDIÇÃO FÍSICA, À SUPERDIMENSÃO DOS CORPOS, DOS OBJECTIVOS, DOS SACRIFÍCIOS, DA RENÚNCIA ABSOLUTA À NORMALIDADE DE UMA VIDA OBSCURA. AFRONTANDO SEMPRE O RISCO DE UMA CERTA “DESUMANIZAÇÃO”, TORNADA COMPULSIVA PELO “MITO DO SUPER-HEROI”, QUE OBRIGA O DESPORTISTA A CORRESPONDER À EXIGÊNCIA DE ESTRUTURAS E DE PÚBLICOS, QUANDO NÃO À UMA INATA DETERMINAÇÃO DE PERFAZER AS SUAS UTOPIAS.
É UMA HOMENAGEM QUE QUERO PRESTAR A MULHERES E HOMENS IMPARÁVEIS NO SEU ÍMPETO DE VITÓRIA, NO SEU MOVIMENTO PARA CUMPRIR OS SONHOS – OS DELES E OS NOSSOS.

DOCAS

Abertura prevista para o início de Outubro, no Clube recreativo Avintense, depois da exposição sobre os "Lugares de Ausência"

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

LUGARES DE AUSÊNCIA (Para o desdobrável)

No acrílico guardo memórias, para seguidamente as partilhar. Falo com pincéis, traços e cores sobre a tela, como quem fala com palavras sentidas.
DOCAS

NOTA BIOGRÁFICA

Maria Eduarda Aguiar da Fonseca.
Adoptou o “petit nom” de Docas desde cedo, na infância. Foi sempre estimulada pelos pais a interessar-se pelas Artes plásticas, a visitar museus, de que era frequentadora assídua em todos os países em que viveu - Inglaterra, França, Suiça, Angola - ou nos que visitou, na Europa´e nas Américas.
Começou as suas pinturas a óleo e, mais tarde, no acrílico, tendo feito experiências em várias correntes de arte moderna e contemporânea.
É também apaixonada pela fotografia artística, e, durante vários anos, dedicou-se à selecção e análise de fotografias, juntamente com o médico e fotógrafo amador, Fernando Calado Correia, tendo colaborado na edição de um livro “Sintra e suas quintas” e numa colecção de slides “Quadrantes de Portugal”, editada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Influenciada por esta arte, transpôs para a sua pintura ambientes fotográficos, recriando e reinventando pormenores, nas cores, nas sombras e luzes, ou então, incorporando elementos de várias fotografias, que, modificados, são adicionados numa só composição inovadora.
Participou pela primeira vez numa exposição colectiva no Auditório da Junta de Freguesia de Espinho, em Julho de 2007.
Em Fevereiro de 2010, fez uma exposição individual “Geometria da Luz”, na Biblioteca Operária Oeirense, em Oeiras.


A ARTISTA E A OBRA
A pintura da Docas é essencialmente uma forma de comunicar… sentimentos, emoções, ideias de beleza e de plenitude.
Por isso há sempre dois tempos numa espécie de viagem do mundo dela para o nosso: um primeiro, que vai da sua imaginação ao acto do nosso próprio olhar para a livre recriação das emoções.
Nos quadros da Docas, eu vejo sempre as pessoas que neles não encontramos: nas maneiras de habitar o espaço, de o moldar a formas de estar e de conviver.
São os ambientes do quotidiano, numa geografia e numa cultura captados em infindos jogos de luzes e sombras, como que em fotografias reinterpretadas talentosamente em outras técnicas que lhes dão outras significações.
São “lugares de ausência” momentânea, marcados intensamente pela presença que se pressente. São lugares de simplicidade e de beleza, traços característicos da sua pintura, que mostra, nos poucos anos que já conta de experiências neste domínio, imensa versatilidade e capacidade de nos surpreender e encantar.

Maria Manuela Aguiar

domingo, 12 de setembro de 2010

Depois de Gaia, agendada colectiva em Oeiras

Voltar a uma cidade, que está no início do meu roteiro de exposições, em boa companhia!

Alguns "LUGARES DE AUSÊNCIA"







Um deles poderá ser a capa do catálogo ou do desdobrável da Exposição...

CARTA A TIA LENA

Na minha primeira classe...sem correcção ortográfica!
Uma genuína peça de época. E parece que ainda há outra, graça À Tia que guarda estas recordações de tantas décadas.

sábado, 11 de setembro de 2010

LUGARES DE AUSÊNCIA Próxima Exposição :22 de Setembro

Em GAIA.
No CLUBE RECREATIVO AVINTENSE.
Abertura às 21.30.

sábado, 21 de agosto de 2010

A colecção cresce...
















Ainda a "geometria da luz"...

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Temporada a norte

Adiada a exposição em Lisboa, por causa de uma longa estada na Bélgica, o mais provável é expor primeiro no norte, aonde vou passar uma temporada.
On verra...

terça-feira, 6 de julho de 2010

Adiada a exposição na Livraria Barata

Uma ida à Bélgica foi prioritária.
A exposição fica para mais tarde.
Há outras em perspectiva!

quarta-feira, 17 de março de 2010

GATO EM ACRÍLICO




Um gato chamado Dragão. O mais novo da colecção da Manuela. E, segundo ela, o mais genial do todos...
Em baixo, num momento menos formal.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

EXPO DOCAS 2010 CONVITE

Está tudo pronto para a primeira das minhas exposições no ano de 2010.
O convite é dirigido aos visitantes do Blogdocas. São bem vindos em Oeiras!






sábado, 2 de janeiro de 2010

PARA O CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO

Introdução


A pintura de Docas, na diversidade, demonstra nas suas vertentes, tanto a abstracta como a realista, a extrapolação de uma sensibilidade e a aptidão, por certo há muito latentes, que surgem agora com acentuado vigor.
Nesta exposição, a atmosfera que transpõe em cada quadro é, à primeira vista, de solidão, silêncio, inabitabilidade dos ambientes, realçados pela claridade e pela sombra. Mas neles logo adivinhamos a proximidade de quem está ou vai chegar, de quem lhes deu a harmonia e a cor das coisas que falam do seu gosto e da sua maneira de viver. As pessoas estão lá, não estando.
As telas parecem querer reproduzir em acrílico ambientes e vivências com a precisão da arte fotográfica. Retratar um lugar. Captar um momento...
Convém , alías, mencionar aqui a longa e frequente convivência da pintora com a fotografia, a sua experiência na elaboração de colecções e de publicações neste domínio, e até mesmo, o prazer com que se dedicava, criativamente, à organização de colectâneas e albuns privados. Paixão antiga que, seguramente, terá influenciado muitos dos seus trabalhos.

ANA DE NORONHA

Janeiro 2010

GEOMETRIA DA LUZ

É este o novo título da exposição - foi mudado, uma vez mais.
Pediram-me que desse aos quadros títulos individuais, mas optei por não o fazer. Cada um terá , simplesmente, o seu número.
"Geometria da luz" capta bem, acho eu, a essência de todos eles - é uma espécie de denominador comum ...
E T

E a exposição aconteceu como previsto - ou melhor do que o previsto! - e as fotografias captam, acho eu, o bom ambiente em que se desenrrolou a sua abertura.